07/03/19

Cristina Lameiras ― desafio 161


Irreal
Felisberto, rosto enrugado, boné velho, limpava o chão outrora imaculado.
Com um fôlego praticava exercício, limpava sinistramente as tripas, moscas e tudo o que cheirasse a mofo.
Não acreditava em coincidências nem maldições, iria empurrar o vicio tóxico para debaixo do chuveiro.
Nessa noite de liberdade ou loucura iria com a sua fisga empurrar o guizo ou o fagote, aparecer no concerto.
Seguidamente, rumava para uma oliveira bebericando uma mistela discreta de gengibre, beterraba, azeite e cereais.
Cristina Lameiras, 53 anos, Casal Cambra
Desafio nº 161 – 14 palavras com fisga