20/11/19

António Azevedo ― desafio 35


Hoje de manhã saí muito cedo alterando a rotina diária, numa necessidade de romper com os gestos repetidos dia após dia. Sigo sem destino, e sem razão, pelas ruas e vielas. Ando apenas pelo prazer de o poder fazer, liberto de qualquer obrigação nessa divagação. Ao caminhar apercebo‑me de pormenores escondidos que antes me escapavam. Repentinamente um alarme estridente toca no meu bolso. A labuta quotidiana emerge neste sonho acordado. Mas que há para lá do sonhar?
António Azevedo, 54 anos, Lisboa
Desafio nº 35 – partindo de dois versos de autor
Fernando Pessoa, Alberto Caeiro in “Poemas Inconjuntos” (1930) – Hoje de manhã saí muito cedo
+
Vergílio Ferreira in “Conta-Corrente 1” (1969-1981) – Mas que há para lá do sonhar?