09/11/20

Maria Silvéria dos Mártires – desafio 167

Nascer do sol

«Chego amanhã, com o nascer do sol. Vou para te arrancar dessa»

pasmaceira em que vives.

Como a tua vida deve ser insípida diria mesmo um pão sem sal.

Pensar eu no tempo em que convivíamos. Que alegres nós éramos.

Quando corríamos pelos campos e admirávamos o girassol.

Quando chegar peço-te que me esperes de sorriso nos lábios. Quero que te lembres

Daqueles nossos diálogos, felizes e tão sábios. Vamos dar gargalhadas, morrer a rir ao recordar.

Maria Silvéria dos Mártires, Lisboa 

Desafio nº 167 ― «chego ao nascer do sol»