30/12/20

Prazeres Sousa – sem desafio

Caminho agressivo… percorrido.

Tantas pequenas coisas a luzirem como pétalas de ouro. No olhar, um cálice de lágrimas adormecidas. 

Percorre o sabor da saudade. 

Insisto na orientação dos sinais, para além de toda a nostalgia.  

Insisto em qualquer coisa amável, mais remota que o mundo. 

Fica o silêncio e a inquietude da noite. O murmúrio dos ecos, o levantar das folhas de encontro à brisa, ou a visão do sol, que se dilui na claridade da noite.  

Prazeres Sousa, Lisboa