28 março 2016

Depressa, vem depressa

Sete da manhã. Telefono à minha Mãe. Demora a atender. 
– Caí da cama, estou no chão desde as cinco.
Em pânico, meto-me no carro. Abro a porta. Encontro-a enrolada no chão do quarto. Não consigo levantá-la. Sms para o meu irmão. Tapo-a e beijo-a.
– Calma! Ficas boa!
– Só cá estou a dar trabalho…
– Sua tonta! Amo-te muito!
Lágrimas corriam dos meus e dos olhos dela.
As palavras atrapalhavam-se dentro da minha cabeça. Só desejava que ele chegasse.


Carla Augusto, 48 anos, Alenquer
Desafio RS nº 13 – … palavras atrapalharam-se dentro…

2 comentários:

  1. Com o tempo, mães são cuidadas pelos filhos.
    Que bom que têm este carinho!
    Parabéns à Carla e à Margarida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Celina, a Carla está mesmo a precisar destes miminhos nossos, obrigada, um grande beijinho

      Eliminar