14 março 2016

Pesadelo

Tinham sido momentos estranhos. Vozes que me chegavam ao longe num turbilhão distorcido.
– Desmaiou. Está mal.
– Deixem passar. Precisa de ar, não veem? Afastem-se.
– Queria falar, explicar o que se passara. Mas não consegui. As palavras atrapalharam-se dentro de mim, como se eu fosse outra, como se tudo fosse um sonho.
– Tenha calma, vamos tratar de si, não se esforce mais.
– Mas eu…
Sei que tentei mesmo falar. Mas não fui capaz. Mexer-me, também não.
Então acordei.

Paula Coelho Pais, 54 anos, Lisboa

Desafio RS nº 13 – … palavras atrapalharam-se dentro…

Sem comentários:

Enviar um comentário