11 outubro 2016

Velhice

Sufoco!
Aquele quarto
Mais parecia uma cela.
Instalou-se em mim
Um silêncio
Quebro-o ao abrir a janela.
Olho o jardim
As roseiras já estão em flor,
Como o tempo escoa!
Calo o grito
Abafo o clamor.
Sinto-me oca como uma soca
Sem sola
Que perdeu a forma, a beleza,
Sinto-me vazia
No meio da natureza.
Perto, outra velhinha
Sorri.
Transporta um saco, 
Deposito nele uma rosa.
Acalmo minha revolta
Digo-lhe "OLÁ"
Olho à minha volta
E... parti. 
Rosélia Palminha, 68 anos, Pinhal Novo

Desafio RS nº 42 – letras de escola sem escola

Sem comentários:

Enviar um comentário