22 novembro 2016

Novo sol

Posso dizer tudo o que me quiser que hei-de ver-me, sempre, defronte do muro incompreensível do teu esquecimento. 
Quer o sítio nocturno do teu refúgio, quer o diurno como sempre foi nesse tempo feliz: luminoso, doce, cheio de luz interior, pleno de eternos interditos e difíceis impedimentos 
Quem quer que fosses, o modo como foste recebido foi único, completo, sem ses ou porquês.
Como um presente, um imprevisto e novo sol que tornou completo o meu mundo.
Teresa Varatojo, 67 anos, Lisboa

Desafio RS nº 39 – história de amor sem A!

Sem comentários:

Enviar um comentário