17 janeiro 2017

Convicção

No princípio costurava sem moderação. Por impulso, por necessidade. Os dedos
pianolavam na máquina, melopeicos, o dia inteiro. Não tinha curso de letras, nem corte de costura. Só talento.
Lurdinhas, a costureirinha do bairro, quando a afilhada quis casar, prontificou-se a fazer-lhe o vestido. Sabia que seria capaz de o moldar, cortar, coser, casear, bordar... Houve desconfiança na parentela, mas acabaram por aquiescer.
Triunfante, e como todas as noivas, aquela foi a noiva mais linda do mundo!
Elisabeth Oliveira Janeiro, 72 anos, Lisboa

Desafio RS nº 45 – «Eu sabia que era capaz!»

Sem comentários:

Enviar um comentário