30 março 2017

Desafio nº 117

O desafio de hoje pretende dar visibilidade à Psoríase, uma doença que afecta 150 a 200 mil pessoas em Portugal. Quem padece desta doença confronta-se diariamente com situações de preconceito e estigma em contextos sociais e profissionais. Nos jovens, a Psoríase poderá condicionar, e muito, esta fase importante da vida.
O lançamento da campanha “Catarinalândia: uma miúda cheia de vida e alguma psoríase” pela Associação Portuguesa da Psoríase é o mote para este desafio de histórias em 77 palavras.
Vamos dar espaço a quem sofre desta doença para que nos conte a sua história, mas vamos igualmente «calçar os sapatos do outro», ajudando a compreender e querer saber mais quem precisa. Preparados?

A minha história é esta:
Olho-me ao espelho. Sinto-me a falhar, esta intromissão parece-me uma injustiça capaz de me estilhaçar os dias. Baixo a cabeça, evito cruzar-me com indiferenças e espantos. Prefiro não existir para eles!
Mas tu chegaste e levaste a mão ao meu queixo, obrigando-me a ver-te. Sorriste-me, retiraste os cabelos, prontos a disfarçar tudo, do meu rosto. Pegaste na minha mão e mostraste-me como o caminho é de esperança. Para ti, a psoríase é um detalhe numa amizade genuína.
Margarida Fonseca Santos, 56 anos, Lisboa
Desafio nº 117 – uma história para ajudar a combater a psoríase

8 comentários:

  1. Que linda tua participação e beleza de campanha na qual me engajo participando! bjs, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Chica, Que bom!
      Um grande beijinho

      Eliminar
  2. Boa noite Margarida,
    Muito linda e de uma grande ternura a sua história.
    Acabei de enviar a minha.
    Beijinhos,
    Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom, Emília, e obrigada. Já lá vou publicar tudo.
      Um beijinho grande

      Eliminar
  3. Que linda a sua história, Margarida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Carla - venha daí a sua! Um grande beijinho, já sei que vou gostar!

      Eliminar
  4. Muito bom, Margarida!
    História tão terna! Bela campanha.

    ResponderEliminar