13 março 2018

Manuela Branco ― desafio 137


"O tabaco mata". Certo, nós não somos eterno, a rotina mata-nos, os desamores também.
Olhei a chama do isqueiro e pensei se iria matar-me um pouco. Esmaguei o cigarro, olhei a rosa amarela, fresca como no dia em que me a ofereceste, para me lembrar do teu abraço, do olhar, do sussurro da palavra amo-te.
Fugiste como um burro com medo que lhe coloquem as rédeas.
Ficou a rosa, que murchou no dia que me esqueci de ti.
Manuela Branco, 61 anos, Alverca do Ribatejo
Desafio nº 137 ― rosa, isqueiro, burro


Sem comentários:

Enviar um comentário