20/08/12

Maria Araújo e a saudade


( Texto em torno da palavra SAUDADE, de que não gosto particularmente)

A fuga é um desejo constante. Entre pensamentos, despejo a mente. Choro. Fixo a porta na esperança que entres. Não ganhas forma, senão em pensamento. Saudade insana. Ladainha em mim, num jogo de revelações intrigantes. Volto a fixar o olhar naquela porta. E tu, de novo, sem entrares. Guardo a tua imagem num livro de recordações. Sem testemunhas, volto a fechá-lo numa das múltiplas gavetas da memória. Não sem antes te beijar e te aconchegar em mim.

Maria Cristina Araújo

Sem comentários:

Publicar um comentário