28/06/13

Memórias…


Os caracóis louros saltavam com os solavancos do jipe imaginário. Os olhos fixavam o amigo, que manejava o ringue de plástico do jogo do mata. Sentia-se seguranaquela tábua em equilíbrio periclitante sobre os tijolos amontoados. O amigo sabia bem o que fazia! Já andava na escola e até fazia trabalhos de casa. Ela só iria à escola no outono,… agora restava-lhe sobreviver, na savana do quintal. Mas caiu. A mãe, e o mercurocromo,envergonharam-lhe a coragem.

Maria José Castro, 53 anos, Azeitão

(História sem desafio)

Sem comentários:

Publicar um comentário