19/07/13

Insensato, esse rio

Todo o rio corre para o mar e anseia por lá chegar; esquece-se que é nele que vai morrer e que o grande abraço é apenas o estilhaço dos seus dias a nascer.
Por que não ficou a brincar com as margens? Sempre ali estiveram a amparar o caminho, como se ele fosse eterno menino a precisar do colo das paisagens, de ouvir a balada do silêncio; pois se água de Julho, no rio não faz barulho.

Bau Pires, 50 anos, Porto


Desafio Rádio Sim nº 3 – um dos provérbios dados no fim

Sem comentários:

Publicar um comentário