22/07/13

Plantações

Fui pôr o teu sorriso no quintal, não ao sol, que seca rápido, mas na terra, debaixo da laranjeira.
– Por que me o roubaste? – perguntaste.
Calei a resposta; não saía nada de jeito, as palavras encalhavam. Dobraste a saia, fechaste a mala e depois a porta.
– Não roubei – respondi, já sozinho –, apenas o tomei emprestado. Quero que seja semente para colher esse sorriso todos os dias. Assim, o coração não pára e fica com sabor a laranja.

Bau Pires, 50 anos, Porto  


Desafio nº 47 – 3 grupos de palavras com mesma grafia e significado diferente