23/11/13

A impotência do caldo lacrimal

Naquela noite morremos todos. Uns choravam, outros, tapavam o rosto desalentado. Não fui capaz de chorar, os meus caldos lacrimais estavam secos. Naquela noite não falei e na manhã seguinte assim me mantive. Vesti roupa escura para mostrar o luto pela minha morte. O dia seguinte era de festa, por isso limpamos as lágrimas. Nesse dia de festa voltámos a morrer. À mesma hora a que haviam chorado, voltaram a chorar. Eu, outra vez, não fui capaz.


Salvador Fachada, 25 anos, Lisboa
(história sem desafio)

Sem comentários:

Publicar um comentário