31/08/16

Ou eu ou ele

Caminhava por entre o cinzento e o verde com a rosa junto ao peito e os espinhos cravados nas mãos. O coração batia sempre tão acelerado que mais parecia um martelo pneumático.
Era lá, junto à lápide, sempre tão bem tratada, que encontrava o meu refúgio. Não vislumbrava problema, não via que, aos poucos, também o meu corpo ia ficando desmembrado.
Aquela frase resgatou-me do abismo: “Ou eu ou ele.” Esta foi a solução para o Amor.
Mireille Amaral, 41 anos, Gondomar

Desafio nº 110 – 8 palavras obrigatórias