04 julho 2017

António Matos ― desafio RS nº 47

O crime, que cometeu sem hesitação devido a uma zanga, deixou-a numa atrapalhação. Ainda via o grande dedo do rival a espicaçar a sua paciência digna de nota, acompanhado de um olhar felino de jaguar. O marido falido, para ela urso, ainda deu quatro gritos, que nem o primeiro vizinho escutou. O lado oculto, meio místico, atirava-a agora para uma solidão impossível de terminar. Sobrava-lhe a lamparina e um xaile bárbaro, que a mesma varejeira nunca largava.
António Matos, 31 anos, Lisboa

Desafio RS nº 47 – 23 palavras obrigatórias!

Sem comentários:

Enviar um comentário