25/02/18

Ana Paula Oliveira ― escritiva 29


Vivi sempre despojado de tudo até que ela, dourada e brilhante, se colou a mim num momento mágico. E nada mais nos separou. Nem a água, nem o sabonete, nem o creme amaciador, nem a areia na praia. Unidos para sempre, tinha ouvido.
Mas, tudo mudou, trinta anos depois, e hoje ela foi-me retirada abruptamente. Foi depois da saída do tribunal e ainda não me habituei à ideia de ficar novamente nu.
Dedo anelar de recém-divorciada sofre!
Ana Paula Oliveira, 57 anos, S. João da Madeira
Escritiva nº 29 – história de amor de objetos