01 maio 2018

Diário 77 ― 37 ― Para ti, Alice

Como areia na mão do vento, atravessou as nossas vidas sem deixar que marcas tristes aprisionassem a nossa infância. Vestia-se de sombras, deslizava entre rotinas, quase sem existir, zelando, fazendo-nos crescer. E ali estávamos, despedindo-nos do corpo gasto, incapazes de imaginar vida na sua ausência. Gentes humildes choravam-lhe a partida; nós gritávamos, mudos, para que permanecesse em nós.
Assim fez. Afastou-se do corpo como o vento e, deslizando na infância guardada, desenhou pegadas firmes na nossa memória.
Desafio nº 26 – dedicatória para alguém
Margarida Fonseca Santos


2 comentários:

  1. Que lindo, Margarida!
    Estou vendo agora este seu diário muito criativo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Celina! Ainda bem que gosta. Queria muito que, com a possibilidade de ouvir além de ler, as histórias chegassem a todas as idades, a todas as pessoas, sem barreiras. Um grande beijinho

      Eliminar