13 maio 2018

Diário 77 ― 46 ― Marisa

Tentou realçar o decote. Depois, enfeitou-se com colares. Ficou pior… Parecia uma árvore de Natal desmaiada. Os minutos passavam a galope. Soou a porta da frente. Agarrou numa rosa. Abriu. Duarte abraçou-a com carinho. O espinho cravou-se na pele suave do seu pescoço esguio. Sangrava. «Ele gosta de mim!», pensava, incrédula.
― Querida, que exagero!
Duarte abraçou-a com mais força. Muito mais força! Marisa jazia agora extasiada no chão. Olhos felizes, coração sem desgosto. Desfalecera de amor? Sim!
Margarida Fonseca Santos


Sem comentários:

Enviar um comentário