22 junho 2018

Filomena Galvão ― escritiva 33


Catarina saiu do arquipélago, não aguentava aquela multidão junta ao casario sempre a quadrilhar. Era dada às artes, mas por muito que gostasse de dança, aquilo era demasiado. Preferia a pintura e queria trabalhar, se possível, expor numa galeria.
Pesquisou o jornal diário na biblioteca e candidatou-se a uma vaga. Teria que passar pelo crivo de um júri, mas tinha de arriscar. O sonho assim lho ditava. Foi aceite. Os seus sentidos entraram todos numa grande sinfonia.
Filomena Galvão, 57 anos, Corroios​
Escritiva 33 ― 7 nomes coletivos

Sem comentários:

Enviar um comentário