15 agosto 2018

Manuela Santos ― desafio 133


Rumo memorizado e sem razões para alertas, a minha cabeça flutuava por pensamentos alheios ao percurso.
Verdade seja dita, não sei se foi acaso ou desdita.
O momento passou, veloz como o felino que vislumbrei.
Caí. Corrijo… voei. Tal querubim despojado de qualquer senso e delicadeza.
Dei por mim em desalinho, guiador na mão e rodas no ar. Embalada em folhas e espinhos.
Caí nas silvas. Como quem cai em desamor, imobilizando a dor e a vida.

Manuela Santos, 43 anos, Almada

Desafio nº 133 ― cair nas silvas

Sem comentários:

Enviar um comentário