25 outubro 2018

Paula Coelho Pais ― desafio 152


Nunca sentira uma dor assim. Ela partira e agora o mundo era um sítio desconhecido. Faltava-lhe a voz e o sorriso e as suas mãos perdiam-se no vazio da ausência. Sabia-a doente e imaginara tantas vezes como seria perdê-la. Assustado como num filme a que nunca tinha querido assistir até ao fim. Mas naquela madrugada, naquele corredor de hospital, as lágrimas tinham vindo abraça-lo, uma a uma, quase ternas, como se fossem a única hipótese de consolo.
Paula Coelho Pais, 57 anos, Lisboa
Desafio nº 152 – frase de Lídia Jorge

Sem comentários:

Enviar um comentário