24/12/18

Filomena Galvão ― desafio 158


Com esta ideia absurda, disparatada, entusiasmou-se. Nadar, aplicar toda a lama… toda a lama que pudesse. Ia mergulhar naquela poça, barrar-se, fazer de si uma autêntica estatueta com aquele barro.
Aquela chuva era abençoada ou, como diz Mia, abensonhada. A aldeia emanava um cheiro delicioso a terra molhada ― o que acontecia apenas duas, três vezes no ano. E não era só a terra que ficava sequiosa, também as gentes da aldeia viviam na ânsia de chuvas milagrosas.
Filomena Galvão, 57 anos, Corroios
Desafio nº 158 – acróstico de CEIA DE NATAL

Sem comentários:

Publicar um comentário