07/12/18

Francisca Reis ― desafio 156


Amanhecia na selva. Inalei, exalei. Medo
Verifiquei o calendário. Era mesmo O dia.
Tocou a corneta. Lambi-me e fui.
Trocámos um daqueles olhares. Soou a corneta. Sangue fresco. Crias maduras ainda com o sonho de virem a ser alguém. Sangue. Nesta selva só há sangue. À minha volta todos lutam: querem assistir na fila da frente.
Olhei as crias. Só desejo que encontrem bons amigos. Isolados não sobreviverão. Eu sobrevivi. Já tive amigos; mas a selva levou-mos…
Francisca Reis, 17 anos, Cantanhede
Desafio nº 156 – hist de animais sem P

Sem comentários:

Publicar um comentário