22/01/19

Graça Pinto ― desafio 161


André rumou ao monte onde o avô tinha um lagar de azeite. Desde que este falecera, jamais visitara aquele lugar de infância. Ao chegar ficou sem chão. A casa cheirava a mofo, uma mosca zunia prisioneira. No sótão, boné e fisga, responsáveis de ralhetes, vicio de apanhar passarinhos. Na parede o velho fagote, que o avô em notas tóxicas teimava praticar. Entardecera! Suas tripas reclamaram. No armário, nada!  Apenas uma lata de cereal. Saíu até à vila.
Graça Pinto, 60 anos, Almda
Desafio nº 161 – 14 palavras com fisga

Sem comentários:

Publicar um comentário