22/01/19

Maria Loureiro ― desafio 161


Sentado no chãoboné estendido, roupas com cheiro a mofo, entrega-se à caridade alheia. O desemprego, o vício tóxico do álcool, a autocomiseração, tornaram-no um velho desamparado. Ouvi-lo falar é uma lição. Menino trabalhou no campo, exímio na fisgaafugentava os pardais do cereal. Com o pai, homem sempre pronto a ir aos fagotes, produzia azeite muito procurado. Rumou a norte. Apesar das tripas revoltas, tornou-se embarcadiço. Da prática da pesca, lembra-se das moscas. Nunca diz porquê.
Maria Loureiro, 64 anos, Lisboa
Desafio nº 161 – 14 palavras com fisga

Sem comentários:

Publicar um comentário