08 fevereiro 2019

Maria do Céu Ferreira ― desafio 146


O Postilhão
De uma distância abissal,
Ouviu-se um tiro certeiro
Que com fragor colossal
Acertou num cavaleiro.

O pobre tinha a jaleca
Cheia de sangue a jorrar,
Montava uma pileca
Que não se quis levantar.

Soube-se ser postilhão,
E a multidão ululava,
Cheia de indignação
Pela justiça que falhava…

Viram cartas da Gertrudes,
Casada com o doutor,
Uma mulher de virtudes,
A dormir com o Regedor!...

Vai-se agora investigar
Essas cartas de traição…
Quem quereria matar
O secreto postilhão?...
Maria do Céu Ferreira, 63 anos, Amarante
Desafio nº 146 ― palavras que não usamos

Sem comentários:

Enviar um comentário