19/03/19

Ana Seixas Silva ― desafio 64


Depois do fim um novo começo: sempre.
Não foi assim quando o fim foi o teu: o ar rarefez-se, o chão fugiu-me e eu desejei o meu -fim-, ali mesmo.
Valeram-me os que me amavam: pegaram-me ao colo, carregaram-me ás costas e, por fim, guiaram-me pela mão.
Valeu-me o apoio silencioso dos teus amigos, que só conheci no teu funeral.
Lentamente a felicidade, acompanhada pela saudade, ocupou o seu lugar.
Agora vivo feliz: morta de saudades tuas.
​​​​​​Ana Seixas Silva, 45 anos, Nelas
Desafio nº 64 – texto começando por “Depois do fim…”