26/11/19

Odília Baleiro ― desafio 191


Acordou surpreendida pela chuva que continuava a cair. A seca era extrema a sul! As paisagens moribundas, incapazes de sustentarem os animais, faziam dó. Na memória dos tempos de moça do Alentejo, só de galochas se podia andar, porque as ruas eram riachos largos. Levantou-se, abriu a janela e foi fustigada por enorme bátega de água… Saiu para a rua, ia sem guarda chuva. "Perdido por cem, perdido por mil", pensou. Que gozo encharcar-se até aos ossos!
Odília Baleiro, 64 anos, Lisboa
Desafio nº 191 ― perdido por cem, perdido por mil