02/11/19

Zelinda Baião ― desafio 188


O momento era mágico: a claridade empurrava as últimas estrelas e estas, obedientes, recolhiam-se; o dia nascia, total e límpido; o sol, ainda tímido, emergia docemente e coloria a quietude do lugar; a brisa, no seu estremecimento, acariciava as ondas e o marulhar era uma melopeia antiga que ficava a ecoar à passagem dos dois; a areia era uma longa estrada agora marcada pelas suas peugadas. Na praia, seguros, o homem e o cão, caminhavam. Como iguais.
Zelinda Baião, 55 anos, Linda-a-Velha
Desafio nº 188 ― sílabas de estremecimento