07/09/20

Ana Paula Oliveira – desafio 218

 Era o último. Vira os companheiros sumirem-se, um a um, durante vários dias. Vivia fechado, sem liberdade, mas antes isso do que a morte.
Chegou o dia. A caixa abriu-se e ele ali, só, olhava as mãos que o iriam destruir.
Valeu a pena. Deu a vida para acender a vela que iluminou o escritor enquanto escrevia o seu melhor romance.
Lá fora, a tempestade rugia. Sem luz elétrica, o escritor sorria, iluminado por uma chama incandescente.
Ana Paula Oliveira, 60 anos, S. João da Madeira
Desafio nº 218 – imagem de fósforos

Sem comentários:

Publicar um comentário