20 novembro 2015

Desafio Escritiva nº 2

Como sou um bom prato, penso sempre na qualidade do(a) cozinheiro(a) e na qualidade dos ingredientes. Raramente penso nos utensílios de cozinha essenciais para que o mestre de culinária possa obter um bom produto final.

Foi precisamente esta semana que, som o espremedor estragado, me vi a fazer sumo de laranja com um garfo e pensei: “abençoado quem inventou o espremedor”. Parei um momento e pus-me a olhar em volta e ao ver tantos utensílios parados pensei: “Uff, que alívio, ainda bem que nunca fazem greve e raramente ficam “doentes”. 

Esta é a minha proposta de desafio: imaginar que algum dos utensílios ou eletrodomésticos que sempre tiveram na cozinha, decide fazer greve. Imaginem quais seriam as reivindicações deles ou qual seria a sua reação.

A minha greve doméstica seria assim:
Trabalhar sempre a rodar, isto tem que acabar! Estamos em directo na cozinha de Paula Isidoro e estas são as palavras de ordem que mais se ouvem. Foram vários os espremedores que decidiram unir-se a esta luta e temos ao nosso lado o espremedor Zumito para nos explicar as razões da sua greve:
– 15 anos a espremer citrinos, sem dias de descanso, nem férias e a viver num lugar escuro, tonturas, vertigens. Isto assim não é vida!

Paula Cristina Pessanha Isidoro, 34 anos, Salamanca

Desafio Escritiva nº 2 – greve na cozinha

2 comentários:

  1. Oi Margarida! Adorei! Já fiz o meu, já já chega por aí. Beijo! Renata

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, obrigada! O texto é da Paula Isidoro, pois é ela que lança o desafio Escritiva. :)
      Um grande beijinho

      Eliminar