29/06/13

Deixaste-me o medo

Deixaste-me o medo. De começar, de acabar, de viver. É uma garra sufocante que prende a esperança bem lá no fundo. Deixaste também a melancolia dos dias passados em êxtase, com o coração na boca, sempre a palpitar. Lamento a decepção.  Sentia-me fraca, tolhida pelas escolhas. Não vivo triste. Depuro as minhas emoções todos os dias. Bem vês, tudo o que escrevo é para ti. Para que sintas o amor que ainda arde cá dentro,  para sempre.

Alexandra Rafael, 35 anos, Albufeira
  
Desafio nº 45 (sem as emoções por ordem alfabética)


Sem comentários:

Publicar um comentário