25/09/13

Aquele Esse

Aquele Esse sonhava ser gente. 
Comeu morangos, por serem da cor do sangue. E avermelhou.
Bebeu água, por ser a origem da vida. E inchou.
Imaginou contas, para estimular o pensamento. Ganhou uma cabeça.
Deslizou na folha, a caminho do mundo. Cresceram-lhe duas mãos.
Com uma, agarrou um A. Transformou-o num amigo.
Com a outra, apanhou um E. Que se tornou espelho.
Olhou-se: vivia, mas não parecia gente.
Arrumou tudo nos cantos e foi jogar à bola.

Rita Bertrand, 41 anos, Lisboa 

Desafio nº 51 – sobre uma imagem de Francisca Torres

Sem comentários:

Publicar um comentário