22/09/14

Desalento

Nenhuma solução havia que o animasse. De inteiro, cheio de atitude e galhardia, tornou-se num gato frouxo, que, de felino passara a gato manso, sem nervo nem alma.
Robustecia-o a certeza de que não era culpa sua, mas daquela airada gata, de pêlo solar e pose de bailarina que, do muro vizinho, atrevida e confiante, espicaçava a gataria.
Para ele, nem uma inocente piscadela.
Serigaita abusiva...
Triste e acabrunhado, cogitava agora, no nada em que se transformara.
Elisabeth Oliveira Janeiro, 70 anos, Lisboa
Desafio nº 74 – nada em que se transformara