13/05/15

Um adeus

O comboio que o sargento tem de apanhar, partirá em breve. Minutos passaram e a sua inquietação crescia, pois ela prometera dizer adeus. O apito retumbou e, resfolegando vapor, moveu-se lentamente o comboio. De improviso, dedos bateram incertamente na janela. Os seus olhos amorosos entreolharam-se. Queriam trocar algumas palavras, mas a silhueta dela já era uma sombra ao longe quando ele conseguiu abrir a janela. Então, era um alívio grande, ao observar na vidraça o coração seteado.

Theo De Bakkere, 62 anos, Antuérpia Bélgica
Mais histórias aqui: http://blog.seniorennet.be/lisboa/

Desafio RS nº 25 – dedos que batem no vidro (cena)

Sem comentários:

Publicar um comentário