30/10/15

Nunca pensei neles como contrários

Vivia pacatamente a vida diária, sem pensar demasiado. Problemas, bênçãos, tinham sentença em adágio, ‘não há mal que sempre dure’; ‘o que abunda não causa danos’. Um vendedor da feira, ao ouvi-lo, zás!, lança-lhe ‘erva ruim dura 100 anos’; ‘todos os excessos são maus’. O outro fita-o atónito, desconfiado, mas não desarma. ‘Sê perseverante e triunfarás’. Logo a resposta: ‘tanto vai o cântaro à fonte que se parte’. Rende-se: – Uso provérbios, mas nunca pensei neles como contrários.

Rosa Maria Pocinho dos Santos Alves, 52 anos, Coimbra
Desafio nº 90 – com provérbios contraditórios

Sem comentários:

Publicar um comentário