09 janeiro 2016

Ficasse eu surda e muda

Ficasse eu surda e muda, punha a mochila às costas e caminhava sempre atenta às vozes interiores.
Seguiria esse trajecto, guiada pelo clarão que ilumina a encruzilhada, entre a razão e o sentir.
Chegada à porta a bater que se chama coração, iria pelas estradas, pela alma percorridas, como um cavaleiro andante.
De ilusão em ilusão, batido por incertas tempestades, chegaria, por fim, ao local onde todo o sonho nasce, repousando aí meu coração, eterno viajante inquieto.

Isabel Sousa, 64 anos, Lisboa.
Desafio nº 94 com clarão, porta a bater e ilusão


Sem comentários:

Enviar um comentário