28/01/18

Elsa Alves ― desafio 115

O nosso barco andou à deriva mas fomos sendo capazes de colher conchas, pedras esculpidas pela água, mãos cheias do azul do mar. E quando o sol se punha, abraçávamo-nos à areia morna e deixávamo-nos inundar pelo seu calor. Ficámos habitados por esses momentos. De noite, quando a pressa da vida parecia ficar lá fora, do lado de lá da janela, voltávamos a olhar para dentro e já não nos perdíamos no ermo de uma casa vazia.
Elsa Alves, 69 anos, Vila Franca de Xira
Desafio nº 115 – frase de Valter Hugo Mãe


Sem comentários:

Publicar um comentário