25 julho 2018

Celeste Bexiga ― sem desafio


JANELAS
Tem quatro janelas viradas pró mar.
Na melâncolia do seu coração, todas as manhãs, com alguma esperança, que ela pensa que já desapareceu.
Aparece o sortilégio das janelas.
Quando acorda vai à:
PRIMEIRA JANELA.
No quarto, sua mente atordoada não vê nada, somente nevoeiro branco, tenta fixar o olhar mas nada…
SEGUNDA JANELA.
Vê muito difusamente a linha do horizonte.
TERCEIRA JANELA.
Telhados, pássaros, gaivotas, alguma vida...
QUARTA JANELA....
Haverá coragem para vestir o fato de banho?
Celeste Bexiga, 68 anos, Alhandra

1 comentário:

  1. Muito bom... Usou o número limitado de palavras como uma vantagem para a criação de um texto diferente do habitual... Adorei!

    ResponderEliminar