12 agosto 2018

Isabel Lopo ― desafio 147


Parecia-lhe a estrada não ter fim. Ou seria a sua vida sem sentido que a não deixava parar? Perdera tudo, o trabalho, o amor, a casa... Espantava o tempo percorrendo trilhos, caminhos desconhecidos, sentindo só o seu inexistir... Exausta, adormece numa berma qualquer. A noite fria  cai sobre ela. Mas as flores silvestres, apiedadas, cobrem-na como uma manta de retalhos. Quando acorda, reconhece a Primavera. O sol brilha e invade-lhe o coração de esperança. Recomeça a andar.
Isabel Lopo, Lisboa
Desafio nº 147 ― frase: o passeio…

Sem comentários:

Enviar um comentário