12/09/18

Marta Sousa ― desafio 37


Objetos sem fim, sem ordem, nem sentido. Observo o pintor com o seu pincel num movimento sem fim, tento pressupor o desfecho, porém é-me impossível. Desisto. Isto é o esplendor do futuro. O futuro é composto de condições e surpreendentes episódios que ninguém pode prever. Por isso, observo. Deixo o que julgo, o que espero. Vivo o momento e deixo de me iludir. Quietude contente que revolve o interior. O prenúncio de um tumulto secreto e indolor.
Marta Sousa, 32 anos, Barreiro
Desafio nº 37 – uma história sem usar a letra A

Sem comentários:

Publicar um comentário