24/06/20

Fernanda Malhão ― desafio 37

Fui sem destino, sem rumo nem prumo. Um ser sozinho, num ritmo louco, correndo e refletindo sobre o meu mundo, ouvindo um sussurro que entendi vir mesmo do meu interior. Dói muito mexer em pontos escuros de nós mesmos. Ver onde construí muros, onde errei, onde me negligenciei em prol de outros. Sendo que é possível desconstruir muros e erguer pontes, decidir em que moldes quero viver, tendo como certo que no fim colherei o que semeei!
Fernanda Malhão, 44 anos, Gondomar
Desafio nº 37 – uma história sem usar a letra A

Sem comentários:

Publicar um comentário