06/07/20

Helena Rosinha – desafio 38

O amor corria como um arauto e tudo vencia: névOAs, abisMOs, ceRCas. Mas esse AmOR, que vivificava na urgência das caRIcias, nunca me procurou. Nunca o demandei.  Quem me ACeitaria, sendo eu olhada cOMo a bruxa agOUrenta, MAlvada e RAivosa, a neta do açougueiro, a coisa inÚTil, o Osso atirado ao lixo?
Ah, mas como me comprazo! No meu segredo, a minha força: quando contemplam o céu nas noites de lua cheia, é a mim que admiram.
Helena Rosinha, 67 anos, Vila Franca de Xira
Desafio nº 38 – partindo de uma frase, utilizar os pares de letras desta para o texto

Sem comentários:

Publicar um comentário