20 julho 2016

Desvios

Multiplicavas dias e noites num cálculo infinitesimal. Produzias derivadas e tangentes potenciais. Qual Arquimedes, banhavas-te no quotidiano e analisavas o teu ser flutuante. Havia momentos em que desenhavas ângulos rectos na tua vontade; noutros, davas uma volta de 180 graus. Demonstravas, assim, que a vida se equaciona a cada segundo. Imprimias algum ritmo nas rectas que traçavas pelo caminho e nos desvios e parábolas dos sentidos. O presente é uma constante real; o futuro uma incógnita exponencial!
Vanda Gomes, 45 anos, Lisboa

Desafio RS nº 38 – a matemática dos dias

Sem comentários:

Enviar um comentário