22/01/18

Iván del Rey Castillo ― escritiva 27

Às vezes podia parecer um sentimento triste, mas para ele a saudade era agradável, graças a ela lembra-se que mesmo nos dias cinzentos pode encontrar-se um bocadinho de luz. Também se lembra que a água traz vida quando se junta com a terra e que nas poças pode ver-se refletido o céu. A chuva a bater na cara traz-lhe paz e lembra-lhe que debaixo da água consegue ouvir o silêncio. O cheiro de terra molhada é indescritível.
Iván del Rey Castillo, 19 anos, Salamanca, USAL, prof Paula Isidoro
Escritiva nº 27 - cheiros


Sem comentários:

Publicar um comentário