24 abril 2018

Francisco Henriques ― escritiva 31

Quando chegou ao trabalho ― atrasado, como sempre ― sentiu algo fora do lugar, mas não fez caso. Ao entrar na sala comum (ou open space, como agora lhe chamam), fazendo por ser discreto, ninguém o olhou com desdém. "Já me safei", pensou para si. Só ao sentar-se na sua cadeira é que notou: não se ouvia telefones. Nem um único. Pôs-se de pé num salto, e foi quando finalmente percebeu: "Eu não trabalho aqui, caraças. Enganei-me no metro".
Francisco Henriques, 34 anos, Lisboa
Escritiva 31 ― erros nos transportes

Sem comentários:

Enviar um comentário