16/09/18

Natalina Marques ― desafio 149


Quem me dera
que  o amanhã fosse diferente
com uma nova quimera
traga sol a toda a gente.

Semear para colher
trigo para o nosso pão
e no ventre da mulher
bata sempre um coração.

E na hora da tristeza
dos problemas ou da dor
haja sempre uma certeza
que tudo tem solução
pela força do amor.

Viver num mundo sem esperança
que já não tem solução,
é como os sonhos de criança
que são apenas ficção.
Natalina Marques, 59 anos, Palmela
Desafio nº 149 ― ficção e realidade

Sem comentários:

Publicar um comentário